instituto das religiosas do sagrado coração de maria
 
província portuguesa
 
IRSCM CEJG Comtigo FASCM Lares Obra Social Residências Universitárias Lares Universitários IRSCM CEJG Comtigo FASCM Lares Obra Social Residências Universitárias Lares Universitários Lares Obra Social Residências Universitárias Lares Universitários Lares Obra Social Residências Universitárias
 
Próximos Eventos
Não existem eventos a apresentar.
 
 

JEAN GAILHAC, UM CORAÇÃO APAIXONADO PELOS POBRES


Por Luís Pedro de Sousa

Que oportuna esta coincidência de celebrarmos o VI Dia Mundial dos Pobres no dia em que, no nosso Instituto, celebramos 220 anos sobre o nascimento do nosso fundador e a abertura do ano jubilar a ele dedicado.

Na missa na Basílica de São Pedro desta manhã, o Papa Francisco lembrou a necessidade de “ romper a surdez interior” que tantas vezes nos impossibilita de ouvir o “grito de sofrimento, sufocado, dos mais frágeis”.

Gailhac começou por ouvir o clamor dos pobres da sua cidade – Béziers. Ouviu e não quis ignorar. Ouviu, rezou e meditou as necessidades e lançou-se na obra necessária! O Instituto nasce para os pobres, os oprimidos, os das margens! O Instituto nasce na rua e da rua.

Com a ajuda dos com casa, é certo! E há nisso tanto valor! Há nisso a capacidade de cuidarmos uns dos outros, de nos sentirmos responsáveis pelas necessidades dos nossos irmãos, de nos movermos, desinstalarmos…

Gailhac dizia-nos que quanto maior são as dificuldades, mais devemos querer essa missão para nós! E desafiava-nos a esquecer o que fizemos e a lançarmo-nos no muito que há por fazer.

Olhando este coração sem fronteiras de Gailhac, dispomo-nos a Escutar com o nosso coração e a cuidar da vida com esperança.

Que maravilha esta sintonia e atualidade entre a voz e o coração de Francisco e a voz e o coração de Jean Gailhac.

Inspirados pelo Evangelho de Lucas, capítulo 4, versículos 18 a 19, temos afirmado que este é um ano favorável da parte do Senhor. No texto Bíblico, relata-se um ano para anunciar a Boa-Nova aos pobres, a libertação aos cativos, a liberdade aos oprimidos...

Cumprir hoje Jean Gailhac e o seu coração sem fronteiras, há-de ser lançarmo-nos nesta atitude de ESCUTA e CUIDADO, FÉ e ZELO.

Cumprir hoje Gailhac e o seu coração sem fronteiras, há-de ser alimentar a nossa relação e amor a Deus, escutá-Lo! E depois, corresponder à graça que nos é concedida e à missão que nos confia..

Cumprir hoje Gailhac e o seu coração sem fronteiras, há-de ser desafiar as nossas fronteiras pessoais e sociais!

Cumprir hoje Gailhac e o seu coração sem fronteiras, há-de ser perguntarmo-nos: Quem são os pobres? Que fome têm?

Isto... e agir!

Cumprir hoje Gailhac e o seu coração sem fronteiras, há-de ser educar... educar... educar os "não pobres" para que não repliquem sistemas injustos e geradores da pobreza de alguns.

Alarguemos o coração para que todos tenham vida!